AQUELA   BONECA – de Carlos Leite Ribeiro
(Peça teatral dramática)
 
Elenco:
- Fernando, 50 anos. Frequentador do café "Ti Pedro" e seu grande amigo ...

- Pedro, 65 anos. A quem o povo chamava carinhosamente, "Ti Pedro" ...
- Joana, 60 anos. A mãe de Américo ...
- Maria do Carmo, 45 anos. Foi ela quem criou a Eunice ...
- Américo, 42 anos. Para que Eunice tivesse oportunidade de ser operada quando era ainda criança e, depois para lhe pagar os estudos, entrou numa de contrabando, e foi preso. Depois, imigrou para o estrangeiro …
Eunice, 22 anos. Durante muitos anos apreciou e desejou "aquela boneca", nunca pensando que anos mais tarde seria sua ...
 
Em todas as pequenas localidades, existe sempre um local, onde se sabe e se discute a vida dos seus habitantes. No local onde se vai desenrolar a nossa história, esse local de encontro era o café do "Ti Pedro". Uma pequena loja com pintura e mobiliário já muito antigo.
Atrás do velho balcão, o seu proprietário, já septuagenário, a quem o povo, respeitosamente e carinhosamente, chamava "Ti Pedro".
Nas poucas prateleiras de vidro que se encontravam por detrás do balcão, na prateleira central e em destaque, encontrava-se uma linda boneca, metida numa caixa de celofane.
Aquela boneca tinha uma história ...
Estávamos em princípios de Junho, quando os dias começam a aquecer. Neste momento entra no café, o Fernando, grande amigo do "Ti Pedro" ...
 
Fernando: -  Boa tarde, Pedro. Os jornais já chegaram ?
Ti Pedro: -    Ainda não chegaram, Fernando. O Expresso, como habitualmente, está atrasado.
Olha lá amigo, bebes o costume ?
Fernando: -   Não, hoje apetece-me... nem sei o quê...
Ti Pedro: -  Olha, "nem sei o quê", é uma bebida que não tenho cá !
Fernando: -  Vejo que hoje estás muito espirituoso. Aproveitando essa tua boa disposição, mais uma vez te peço que me contes a história dessa boneca, que há tantos anos se encontra aí atrás
desse balcão.
Ti Pedro: -   Qual boneca ?! ... áh, a boneca. Pois está aqui há mais de dezasseis anos, mas, por estes dias deve sair daqui.
Fernando: -  Nem quero acreditar que vás dar essa boneca ...
Ti Pedro: -   Estás completamente engano, pois eu vou dar esta boneca e com grande prazer e à pessoa certa !
Fernando: -  Pedro, tu cada vez estás a ficar mais misterioso. O que se passa contigo, homem?
vá lá, desembucha e diz-me que mistério tem essa boneca ?
Ti Pedro: -   Podes crer que não tem mistério nenhum. Nenhum mistério …
Fernando: -   Então, se não tem qualquer mistério, sê amigo e conta-me a história dessa boneca.
Ti Pedro: -  Amanhã ou por estes dias, conto-te.
 
(Entra em cena nova personagem)

Joana: -  Boa tarde, "Ti Pedro" e Sr. Fernando. Olhe, troque-me esta garrafa vazia por uma cheia de vinho tinto. Se possível, pode ser fresquinho.
Ti Pedro: -  Olha a tia Joana ! então, tem tido notícias do seu filho Américo ?.
Joana: -  Tenho, tenho. Ele continua lá pelos "estrangeiros". É a vida dele, sabe ?
Fernando: -  Vocês desculpem-me de me meter na vossa conversa. Se não me engano, o seu Américo, desde que imigrou para o estrangeiro, nunca mais veio a Portugal, pois não ?  
Joana: -  O meu filho é um homem de vergonha e, assim que saiu da prisão, foi logo para o estrangeiro, e nunca mais cá voltou.
Fernando: -   Que pena ! um rapaz tão trabalhador e tão honesto ... custa a compreender como é que se meteu naquela embrulhada do contrabando.
Joana: -  Nem eu compreendo, Sr. Fernando, pois, o meu Américo sempre foi o que se pode chamar "uma jóia de pessoa" e um filho exemplar. Agora é um inválido ...
Fernando: -  O quê ? um inválido ?! ... ora diga-me lá o que se passa, tia Joana...
Joana: -  Não se passa nada ... nada, nada. "Ti Pedro", dê-me a garrafa, pois estou com muita  pressa...
Ti Pedro: -  É muito curioso. A tia Joana, habitualmente, não vinha aqui comprar vinho, mas, há  uns tempos para cá, vem todos os dias comprar uma garrafa ...
Joana: -  Sim, sim uma garrafa; Sabe, é para, para temperar o comer ... ganhei agora o hábito de temperar todos os comeres ... fazer "vinho d`alhos” ... compreende, não compreende ?
Ti Pedro: -  Francamente, não compreendo mesmo nada. Mas enfim ...
Joana: -  Bem, agora que já estou aviada, tenho que me ir embora ...
Ti Pedro: -   Tia Joana, fique mais um pouco, por favor. Disse-nos há pouco que o Américo estava inválido ?
Joana: -  Mas eu disse isso ?...
Ti Pedro: -  Pois disse ...
Joana: - Então, foi sem querer !
Ti Pedro: -  Eu logo compreendi que tinha sido sem querer. Tia Joana, diga-me: o Américo está cá ?
Joana: -  Ai que chatice ... deixe-me ir embora, "Ti Pedro" !
Ti Pedro: -  Tia Joana, o Américo está cá ?
Joana: -  Por favor deixem-me ir embora ! deixem-me, deixem-me. E Deixem-no a ele, ao meu pobre filho, pois ele, coitadinho, está inválido !
Fernando: -  Tia Joana, o que se passa, ou melhor, o que se passou com o Américo ?... nós somos amigos dele e por isso, temos o direito de saber, para assim o podermos ajudar.
Ti Pedro: - Tia Joana, o Américo sofreu algum acidente ?
Joana: -  Meu Deus, que infeliz que eu sou … o meu pobre filho, sofreu um acidente com a máquina que trabalhava e, ficou sem um braço. Aquele infeliz nunca teve sorte na vida !
Fernando: -  Lamento muito. Coitado do Américo !
Ti Pedro: - Mas diga-me lá, tia Joana, o Américo está cá ou não ?
Joana: -  Está cá, está. Mas tem vergonha de sair de casa. O espectro da prisão persegue-o, e agora pior ainda, pois não tem um braço. Que infeliz é o meu Américo !
Fernando: - Lamento muito, mas mesmo muito. Mas, tia Joana, por favor, acalme-se.
Ti Pedro: -  Mas ainda bem que o Américo está cá, pois eu preciso muito de falar com ele.
Joana: - Quem me dera que o meu filho saísse de casa, que convivesse com os amigos. Que saísse daquele quarto escuro, em que voluntariamente se encerrou. Talvez daqui a algum tempo perca os complexos que hoje tem, e então comece a sair. Oxalá que comece novamente a viver a conviver !
Ti Pedro: -  Tia Joana, eu hoje sem falta, tenho de falar ao Américo !
Joana: -  Falar para quê, "Ti Pedro" ?! ... por acaso, o meu filho ficou a dever-lhe alguma coisa ? Se é isso, diga-me por favor, pois eu, apesar de ser muito pobre, com certeza que lhe pagarei ...
Ti Pedro: -  O Américo não me deve nada, e que eu saiba, não deve nada a ninguém. Mas eu preciso de falar com ele, sobre um assunto pessoal, de interesse comum. Tia Joana, pode crer que é um assunto que interessa a ambos...
Joana: -  Se por acaso o meu filho vem a saber que eu contei a alguém que ele está cá, vai ficar muito zangado comigo ! e eu não quero que ele fique desiludido comigo, que sou a sua mãe! O Américo tem sofrido muito, muito, e só eu, com o coração de mãe, o posso compreender.
Desculpe-me, "Ti Pedro", mas eu não lhe posso dar o seu recado !
Fernando: -  A tia Joana pode-lhe dizer que eu, um dia destes, passei perto de sua casa e que o ouvi falar. Logo fiquei muito desconfiado, e que hoje, por acaso, a encontrei no café e lhe falei no caso. E a tia Joana, sem querer caiu na armadilha que eu lhe montei, para saber se ele tinha ou não regressado a Portugal. Valeu ? ...
Joana: - Não sei, Sr. Fernando ... se o meu filho vai aceitar essa desculpa, pois, como é natural, anda muito desconfiado ...
Fernando: -  Resulta, sim, tia Joana ! vai ver que vai resultar. Para mais, o rapaz não pode passar o resto da vida escondido. Lá por ter estado preso por causa de contrabando, e depois, ter ficado sem um braço, quando trabalhava no estrangeiro, não é razão para ele se esconder.
Ti Pedro: -  Olha, Fernando. Mudando de assunto, tenho a sensação que vêm aí os jornais.
Fernando: -  Tens toda a razão, pois também a mim me parece que estou a ouvir o barulho do motor do expresso ...
Joana: - E eu vou indo para casa. Mas antes, peço-vos que não digam a ninguém que o meu filho Américo, está cá.
Ti Pedro: - Fique descansada, tia Joana !
Fernando: -  Tia Joana, peço-lhe que não se esqueça de fazer o que eu lhe disse, está bem ?
Ti Pedro: - Assim como também não se esqueça, que eu hoje, sem falta, preciso de falar com o Américo !
Fernando: -  Olha que nos enganámos, Pedro. Ainda não é desta vez que chegam os jornais. O barulho que estávamos a ouvir, era de um expresso de excursão, mas ...
 
(Nova personagem entra em cena)
                                                                                 
Maria do Carmo: -  Boa tardes, "Ti Pedro" e Sr. Fernando ! o tempo está a aquecer. O que também não admira, pois já estamos perto do Verão.
Ti Pedro: -  Olá garotona !
Fernando: -  Aqui a nossa querida Maria do Carmo, cada vez está mais bonita !
Maria do Carmo: -  Ora, ora. O Sr. Fernando está sempre a brincar comigo. Estou a ver que hoje, o expresso, está muito atrasado, não está ?
Ti Pedro: -  Tens toda a razão, Maria do Carmo.
Fernando: -  E os jornais hoje nunca mais chegam !
Ti Pedro: -  A tua, ou melhor, a nossa menina, a Eunice, deve chegar ainda hoje, não é verdade, Maria do Carmo ?
Maria do Carmo: -  Conto que ela venha na próxima carreira, pois já deve ter terminado os exames finais.
Ti Pedro: -  Que cabecinha d` ouro que ela tem ! Por isso é que ela tem sido uma magnífica estudante e que nunca chumbou nenhum ano !
Fernando: -  E só de pensar que ela, por causa daquela doença nos ossos, passou aqueles anos todos num sanatório. Mas, felizmente que hoje, quase não se nota que ela coxeia um pouco.
Maria do Carmo: -   Teve a sorte de ter encontrado um grande cirurgião, além de ter também tido a sorte de uma pessoa desconhecida, que lhe pagou todas as despesas da operação, e também os estudos. Mas Graças a Deus, a esta hora já deve estar licenciada !
Fernando: -  Sempre gostava de saber quem foi esse desconhecido que lhe pagou tudo ?...
Maria do Carmo: -  Eu também não sei e gostava de saber; mas nunca cheguei a descobrir. E parece-me que nem aqui o "Ti Pedro", embora todo o dinheiro que essa pessoa desconhecida mandou para a Eunice, lhe tivesse passado pelas suas mãos. Ou será que o "Ti Pedro" sabe quem é, e não nos quer dizer ...?!
Ti Pedro: -  Eu já vos tenho dito muitas vezes que não sei quem é. Por favor não me venham agora com essas conversas, porque eu já vos tenho dito que também não sei quem é essa pessoa; o que também pouco interessa ...
Fernando: -   Tenho-me questionado se seria algum dos muitos amantes que a mãe teve ?
Ti Pedro: -  Não, não é esse o caso.
Maria do Carmo: -  Também não me parece que seja, pois esses, só a exploraram. Por isso é que a desgraçadinha morreu na pior das misérias !
Tio Pedro: -   Já o pai tinha morrido, tragicamente, na chamada Guerra do Ultramar. Se não fosse o tal misterioso benfeitor, o que teria sido da nossa Eunice ?
Fernando: -  Aqui p`ra nós, vocês não desconfiam mesmo quem possa ser essa misteriosa personagem ?
Ti Pedro: -  Eu já vos disse que não desconfio de nada nem de ninguém !
Maria do Carmo: -  Eu lá desconfiar, desconfio. Mas é assunto só para eu comentar com os meus botões.
Fernando: -  Por acaso será que este mistério esteja dentro daquela boneca, que o "Ti Pedro" tem ali naquela prateleira, há tantos anos ?
Ti Pedro: -  Francamente, por muita vontade que tenha, não vos estou a compreender. Aquela boneca não tem qualquer mistério. Vocês hoje é que se voltaram p`ra aí ...
Fernando: -  Mas o certo é que tu já me disseste que hoje, aquela boneca, ia sair dali para sempre. Não foi ?
Ti Pedro: -  E daí, homem ? Em minha casa não poderei dizer o que muito bem queira ?
Fernando: - Não é por nada, Pedro, e por favor, não te irrites. Para mais, daqui a pouco deve chegar a Eunice, já com o "canudo" e com o título académico de "doutora".
Ti Pedro: -   Cá p`ra mim, tu continuas a tentar esconder alguma coisa ... cada vez te compreendo menos, Fernando !
Maria do Carmo: -  Escutem, escutem. Parece que estou a ouvir o barulho do motor do expresso. Vocês, por acaso,  não ouvem ?
Ti Pedro: - Sim, sim. Também parece que estou a ouvir o motor, do outro lado do vale. Fernando, os teus jornais já devem de estar a chegar ...
Fernando: -  Como sempre, anseio que eles cheguem, para saber o que vai por esse mundo. Mas, não sei o que sinto, ou melhor, pressinto. Parece-me que hoje vai acontecer qualquer coisa de muito especial ...
 
(neste momento entra em cena outra personagem)
 
Américo: -  Boa tarde a todos. A minha mãe disse-me que o "Ti Pedro" me queria dizer qualquer coisa ...
Ti Pedro: -  Olha, mas és tu, és tu, o Américo, o filho da tia Joana ?!
Fernando: - Olha, o Américo ! que saudades já tinha de ti !
Américo: -  Sim, vocês não se enganam, meus amigos. Sou eu, o Américo, ex-presidiário e maneta permanente !
Ti Pedro: - Tu, meu rapaz ! que alegria me dás !
Américo: -  Alegria ... ou piedade ?! ...
Ti Pedro: -  Qual piedade, qual carapuça ! tu, com ou sem um braço, és e serás sempre o mesmo: um grande homem !
Fernando: -  Atenção que o expresso, cada vez está a aproximar-se mais ...
Ti Pedro: -  Américo, por acaso sabes que é que está a chegar no expresso?
Américo: -  Como é que eu posso saber, se há tantos anos estou afastado desta terra ?
Ti Pedro: -  Tens toda a razão Américo, mas eu vou-te dizer: deve vir lá a Eunice, a nossa querida Eunice !
Américo: -  De verdade ?! ... então, vou-me já embora, "Ti Pedro" ...
Ti Pedro: -  Não. Tu Não te podes ir já embora, pois ainda não falei contigo !
Américo: -   "Ti Pedro", deixe-me ir embora !
Ti Pedro: -  Espera um pouco mais, Américo. Olha p`ra aqui: a boneca que há muitos anos deste à Eunice, ainda está aqui. Tu, antes de ires para a prisão, encarregaste-me de ser o seu "fiel" depositário. Pois bem, a Eunice ...
Maria do Carmo: - A nossa menina, a nossa Eunice, finalmente, chegou !
Ti Pedro: -  O que vocês querem dizer, é que a nossa querida doutora Eunice, chegou !
 
(entra em cena outra personagem: a Eunice ...)
 
Eunice: -  Olá !!! Mal estou a chegar e já me estão a ofender. Eu sempre fui e continuarei a ser a Eunice, a vossa menina !
Ti Pedro: -  Mas tu agora, tens um curso superior, Eunice !
Eunice: - O que eu tenho é uma valorização pessoal, que muitos podiam ter, se tivessem a sorte de encontrar um benfeitor como eu tive. Mas, com esta barafunda toda, nem sequer ainda os cumprimentei: Boas tardes a todos ! ... cheguei, sou a Eunice, aquela menina que vocês bem conhecem desde pequenina !
Ti Pedro: -   Senta-te aqui, ao pé do Sr. Américo.
Eunice: - Com todo o prazer. Já há muito tempo que não tinha o prazer de o ver. O Sr. Américo, dá-me licença que eu lhe dê um beijo na sua face ?
Américo: -  Um beijo ?! um beijo a mim ?!
Eunice: -  Porque não, Sr. Américo ?! olhe que eu não tenho nenhuma doença contagiosa !
Américo: - Não é isso. È que eu, é que eu ... já estive preso e, além disso, não tenho um braço ...
Eunice: -  E o que é que isso importa ?! ... se esteve preso, pagou uma dívida que teve com a Sociedade; se teve um acidente, do qual perdeu um braço, é uma situação que pode acontecer a qualquer pessoa.
Américo: -  E também já tenho os cabelos grisalhos ...
Eunice: -  Ora. Ora. A isso, chama-se vaidade masculina. Vejam lá por ter uns cabelitos brancos, já se considera velho ! o Sr. Américo ainda é um belo homem !
Ti Pedro: - Peço desculpa, mas tenho de interromper a vossa agradável conversa, pois, à mais de dezasseis anos que ando como embuchado. Américo, está aqui a boneca que tu, naquele dia em que foste preso, deixaste aqui, para quando a Eunice acabasse o curso, a entregar-lhe. Pois bem, entrega-a tu. Eu, estou velho, cansado, mas muito feliz por ter cumprido esta missão ...
Eunice: -  Esta boneca é para mim ?! ... e foi o Sr. Américo que me ofereceu ?! ... muito obrigado. Como sabem, eu sempre adorei esta boneca. O "Ti Pedro" deve-se lembrar bem que, quando era pequena, ficava longos minutos a admirá-la. Mas o "Ti Pedro" nunca me disse que a  boneca era para mim !
Ti Pedro: - E também nunca te disse que o teu benfeitor, era o Sr. Américo !
Eunice: -  O Sr. Américo ?!!! ... mas, mas porquê ? ...
Américo: - Por favor, "Ti Pedro", peço-lhe que não fale mais neste assunto ...
Eunice: - Desculpe, Sr. Américo, mas eu quero saber tudo  -  tudo, percebem ? Eu tenho o direito de saber, por favor, digam-me ...
Ti Pedro: -  É um conto muito longo. Mas eu vou tentar ser o mais sucinto possível, pois encontro-me muito cansado, muito doente. Este meu coração ...
Américo: -  "Ti Pedro", por favor, não se canse mais, pois não merece a pena estar a falar mais neste assunto ...
Ti Pedro: -  Merece, merece meu rapaz. Para mais, eu tenho de terminar este trabalho que te me deste à dezasseis anos. Eunice, vem cá. O Sr. Américo sempre gostou muito da tua mãe (da tua pobre mãe, que tão cedo nos deixou), mesmo antes de ela ter casado com o teu infeliz pai, que lá ficou naquela maldita Guerra Colonial ...
Fernando: - Pedro, tu não estás bem, pois não. Deixa-me pôr esta almofada nas tuas costas ...
Ti Pedro: -  Põe lá essa almofada. Assim, estou muito melhor  -  obrigado Fernando. Mas como ia a contar, tu eras muito pequenina e já há muito que estavas internada num sanatório, para os lados de Lisboa. Precisavas, urgentemente, de seres operada ...
Fernando: - Tu não estás a sentir-te muito bem, pois não, Pedro ? ... estás cada vez a ficares mais pálido...
Ti Pedro: -  Estou a sentir-me muito cansado ... ai, este meu coração ... mas vamos ao que interessa. Tu precisavas de ser operada por um grande especialista, mas não havia dinheiro. Foi, para conseguir essa importância, que o Américo se meteu nessa do contrabando, acabando por ser preso. Mas, mesmo assim, conseguiu o dinheiro necessário para a tua operação ...
Américo: -  Por favor, "Ti Pedro", não continue ...
Ti Pedro: -  Já falta pouco, podes crer ... depois de sair da prisão, o Américo, por vergonha e por necessidade de ganhar dinheiro para os teus estudos, emigrou para o estrangeiro ...
Eunice: - Eu, estou tão confusa, tão surpreendida ... tão agradecida, que não consigo encontrar palavras adequadas para me exprimir !
Ti Pedro: - Dentro da boneca, encontra-se um papel, que eu quero que o leiam ... depois de eu morrer ...
Américo: -  O "Ti Pedro" está tão pálido ...
Eunice: -  Atenção !!! ... o "Ti Pedro" está a cair ! ... por favor, chamem já uma ambulância. Depressa, depressa ...
Ti Pedro: -  Não se incomodem ... já não merece a pena, meus filhos ... ai, este meu coração ... olha lá, Américo ...
Eunice: - Um médico por favor, por favor ...                                                                            
Ti Pedro: - A minha missão ... está cumprida ... parto em paz ...
Eunice: -  Morreu, morreu o "Ti Pedro" - que bondoso velhinho !
Américo: -  Eu, um ex-presidiário e um inválido, é que devia ter morrido !
Fernando: - Tu, Américo, ainda não cumpriste a tua missão cá na Terra. Hoje, morreu um grande homem, o "Ti Pedro". Amanhã morrerá outro ...
 
 »»

Américo: -  Para o "Ti Pedro", acabou-se tudo !
Maria do Carmo: - Se há funerais bonitos, este foi um deles ...
Eunice: -  Tanta gente o acompanhou até à sua última morada ... ele bem o mereceu, pois sempre foi muito educado e bondoso para toda a gente.
Maria do Carmo: -  Descansa em paz, "Ti Pedro" !
Américo: -  E nós vamos embora, pois nada mais fazemos aqui ...
Maria do Carmo: -  Nenhum familiar dele o veio acompanhar ...
Fernando: - Ele, também nunca nos falou que tinha família.
Maria do Carmo: -  Então, não deve ter descendentes ...
Eunice: -  Pois não. E sendo assim, é uma pena aquele café ficar encerrado. Por falar em café, tenho que lá passar para ir buscar a minha boneca.
Fernando: -  E dentro da boneca, como o "TI Pedro" nos disse, deve de estar um papel com alguma mensagem. Por curiosidade, gostava de saber o conteúdo dessa mensagem ...
Eunice: -  Então, podemos ir agora todos ao café.
Maria do Carmo: - E até nos calha em caminho.
Américo: -  E assim podemos a ficar a saber a última vontade do "Ti Pedro" ...
 ««
 
Eunice: -  Quem havia de dizer que esta boneca um dia seria minha ! madrinha, estou tão impressionada...
Maria do Carmo: -  A boneca é muito linda, mas, sobretudo representa um gesto muito bonito de um verdadeiro altruísta, ou seja, o Américo.
Américo: -  Por favor, não falem mais em mim. Ainda me obrigam a eu ir-me embora ...
Fernando: -   Oh Américo, modéstia em demasia, é um grande defeito que deve ser corrigido. Para mais, tu és tão brioso !
Maria do Carmo: -   O Fernando tem toda a razão. O Américo não pode ser tão modesto, pois é um homem que tem muito valor.                                                                                             
Fernando: -  Com esta conversa toda, já estou a ficar ansioso por saber qual o teor da mensagem que o "Ti Pedro" deixou dentro dessa boneca.
Eunice: - Tenha calma, Sr. Fernando, pois já vamos ver.
Américo: -  A caixa de celofane está deslocada na parte de trás.
Eunice: -  Tem razão, e é por esse lado que eu vou tirar a boneca do celofane ... olhem, cá o
papel. O Sr. Américo quer lê-lo ?
Américo: -  Eu mal sei ler. Lê tu, Eunice ...
Eunice: - Então tomem muita atenção: " A 2 de Janeiro de mil novecentos e tal, no cartório da cidade, fiz o meu testamento, considerando meu herdeiro universal, Américo Araújo. Depois de eu morrer, entreguem esta mensagem ao Américo Araújo, pois, a partir dessa data, este café a ser dele ...".
Américo: -  Não compreendo ... porque seria que o "Ti Pedro" me fez seu herdeiro universal ?! ... mas eu não posso aceitar, para mais, sou um inválido ...
Fernando: -  O "Ti Pedro" fez-te seu herdeiro universal, porque te apreciava muito. Agora, meu rapaz, é preciso teres brio, pois capacidade tens tu. E este café não pode fechar ...
Eunice: -  O Sr. Américo, só é um inválido se quiser. Mas eu, ou melhor, todos nós temos confiança em si, pois temos a certeza que irá reagir. Madrinha, vamos fazer a limpeza ao café ?
Maria do Carmo: -   É p`ra já. O "Ti Pedro", tinha os utensílios de limpeza e os detergentes todos bem arrumadinhos, naquela dispensa. Vou já buscá-los ...
Fernando: -  E eu também vou ajudar ... a limpar o pó, claro !
Américo: -   Ai aonde eu estou metido ! ... um inválido como eu, e além disso, não percebo mesmo nada deste negócio, pois eu sempre trabalhei na indústria metalúrgica  ...
Maria do Carmo: -  Olha Américo, escusas de estar p`ra aí com essas lamúrias, pois ninguém te
está a ouvir. Vamos mas é ao trabalho !
Fernando: - Se nós te não conhecesse-mos tão bem, diríamos que estavas a fugir ao trabalho, e que não querias fazer nada, alegando que estavas inválido !
 
(Outra personagem entra em cena : Uma Voz mais outra Voz)
 
Voz: -  Boa tarde. Vendo refrigerantes, águas e cervejas  -  o que é que precisa para a próxima semana ?
Américo: -          O senhor é o distribuidor ?
Voz: -  Sou o empregado do distribuidor ...
Américo: -  Então, para a próxima semana pode trazer: três grades de sumos, duas de águas e quatro de cervejas.
Voz: -  Muito bem. Então, até p`ra a semana, e obrigado ...
2ª Voz:: - Vizinho, pode aviar-me um sumo de maçã, sem borbulhas ?...
Américo: -  Pois posso, pois não estou aqui para outra coisa. Olha, queres um copo ?
2ª Voz: -  Pode ser e, também quero daqueles chocolates ...
Américo: -  Este aqui ? ...
2ª Voz: - O que está ao lado desse. Está aqui o dinheiro e trocadinho ...
3ª Voz: -  Um maço de cigarros e uma bica curta. Já chegaram os jornais ? ...
Américo: - Ainda não chegaram, mas o expresso não deve tardar aí. Queres que te guarde algum ?
3ª Voz: -  Eu espero pelo expresso...
2ª Voz: -  Vizinho, o chocolate tem um prémio ...
Fernando: -   Chiuu, cheguem aqui. Estão a ver o que eu estou a ver ? ...
Maria do Carmo: -  Isto aqui p`ra nós que ninguém nos está a ouvir: o Américo tem muito jeito para o negócio. Até parece que passou toda a sua vida atrás de um balcão ...
Eunice: -  E sobretudo, muita força de vontade. È um homem brioso. Reparem como ele, apesar de não ter um braço, consegue tirar tão bem as cápsulas das garrafas !
Fernando: -   Temos homem. O café "Ti Pedro" vai continuar ...
Américo: - E vocês aí só falam, falam e não trabalham. Daqui a pouco os clientes começam a reclamar, pois está muito pó no ar ... !!!

FIM
 
Peça teatral dramática de Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande – Portugal

 

 

 

Envie esta Página aos Amigos:

 

 

                          

 

 

Por favor, assine o Livro de Visitas:

 

 

 

Todos os direitos reservados a Carlos Leite Ribeiro
Página criado por Iara Melo
http://www.iaramelo.com