O RELÓGIO 

 

(Conto real de Carlos L. Ribeiro)

 

 

 
 
 

O Relógio  - Conto real de Carlos Leite Ribeiro

 

 

Naquele Fim de Ano, a minha sogra avisou-nos que, ao contrário do habitual, não o passaria connosco pois tinha recebido um convite de uma amiga do Algarve.

Simpaticamente, não se esqueceu de mandar uns presentinhos ao neto (ainda era só um), à filha e ao seu “querido genro” (que era eu).

Quando minha esposa medisse que a mãe (dela) me ia mandar um presente, confesso que tive um “toque no coração” e logo interroguei-me: “ Que se passará com aquela querida sogrinha que me vai mandar uma lembrança?”.

Quando os presentes chegaram, naturalmente as embalagens foram logo abertas. O meu presente tinha uma linda embalagem e um lindo relógio de mostrador azul lá dentro. Eu nem queria acreditar em tal sorte. Tirei o dito cujo dentro da embalagem e, como naquele tempo os relógios trabalhavam a corda, comecei a rodar a respectiva carrapeta, mas, por mais que o rodasse, o relógio não trabalhava. Resolvi telefonar para o Algarve para lhe perguntar em que ourivesaria tinha ela comprado o relógio para eu poder pedir a sua reparação ou substituição. Ai que o ela me respondeu, depois de dar sonora gargalhada:

- Meu querido genro, eu não comprei o relógio em nenhuma ourivesaria, mas sim a uns ciganos, na Praça da Figueira (Lisboa). Se quiser, vá à procura dos ciganos e faça a reclamação …

Ai o que eu tive vontade de lhe responder, mas vá lá, só pensei…

No regresso ao jornal logo no Novo Ano, prendi esse tal relógio no pulso direito (e o normal no esquerdo). Para realçar mais o tal relógio, até arregacei a manga da camisa.

- Olhem malta, o Carlos tem um relógio novo! – Chamou a atenção um colega.

Quase todos se levantaram das respectivas cadeira para virem admirar a prenda da minha sogra. Um deles reparou que  a máquina não trabalhava, o que eu logo respondi:

- Meus amigos, este relógio é só para vocês o admirarem a sua beleza. Se quiserem saber as horas, tenho aqui este no pulso esquerdo!

A risada foi geral.

Ao saber do sucedido, uma colega telefonista disse-me:

- Olha Carlos, os ciganos estavam a vender esses relógios de fantasia, na Estação do Rossio (comboios – trens) a 15 escudos…

 

Anos depois, minha esposa chamou-me a atenção que meu filho mais velho tinha ficado triste por o Pai Natal não lhe ter oferecido um relógio. Quando o lhe entreguei, a então criança chorou, deu pulos e gritos, mas a certa altura parou com o seu contentamento e encarou-me de frente, perguntando-me:

- Papá, por acaso não compraste este relógio aos ciganos, pois não?...

- Não meu filho, comprei-o numa ourivesaria e tem garantia. Mas qual a origem dessa tua pergunta?...

- É que tenho ouvido umas histórias de um relógio que a avô tem deu …

 

Carlos Leite Ribeiro (um conto real)

Todos os direitos reservados a Carlos Leite Ribeiro
Página criada por Iara Melo, para ser visualizada no Internet Explorer
Resolução do Ecrã 1024 * 768
http://www.iaramelo.com