(Deuses, Guerreiros e Lendas)

 

 

TERCEIRO BLOCO

 

 

GUERRA de TRÓIA

 

 

 

QUARTO BLOCO

 

Guerra lendária que conserva a recordação das expedições dos Aqueus às costas da Ásia Menor, no século XIII antes de Cristo. Foi narrada, sob forma poética, na Ilíada de Homero. Ficou célebre  a estratégia do Cavalo de Tróia. Um gigantesco cavalo feito de madeira que os Gregos teriam abandonado em frente de Tróia. Os Troianos introduziram-no na sua cidade, e com ele os guerreiros gregos que estavam escondidos lá dentro. Este estratagema permitiu que os Gregos se apoderassem da cidade.

Lenda de Tróia

A guerra de Tróia começou quando Páris, o jovem filho de Príamo, rei de Tróia, raptou Helena, mulher de Menelau, rei de Esparta. Helena era a mulher mais bela do Mundo, e filha de Zeus. Muitos reis gregos e os seus melhores guerreiros fizeram uma aliança e seguiram com os seus exércitos para vencer Tróia e levar Helena. E assim começou a guerra.
A história desta campanha em massa é bastante complicada. Até os deuses tomaram partido, alguns ajudando os Gregos, outros os Troianos. Mas foram os nomes dos grandes chefes que chegaram até nós nas lendas e na literatura da Grécia antiga. 0 comandante dos exércitos gregos era o poderoso Agamémnon, rei de Micenas, irmão de Menelau, marido de Helena. Individualmente, o maior guerreiro dos Gregos foi Aquiles. Entre os que reuniram os seus próprios exércitos para resgatar Helena e a honra grega, encontravam-se Diomedes, cujos soldados eram homens de Argos e de Tirinto, e Ájax, comandante dos Lócrios. Pátroclo, amigo de Aquiles, e o esperto Ulisses, que se juntaram mais tarde à guerra, também desempenham papel importante na história. Os Troianos eram governados por Príamo, rei de Tróia, mas, como ele era demasiado velho para combater, o exército de defesa ficou sob o comando do filho mais velho, Heitor. Um ramo mais novo da família era representado por Eneias, filho de Afrodite. Durante a mais importante destes foi Pentesileia, rainha das Amazonas, Sarpédon e Glauco, chefes dos Lícios, e Reso, da Trácia do Norte. Tróia ficava situada num pequeno planalto do país da Frigia, na Ásia Menor, do outro lado do mar Egeu, em frente à Grécia. Estendia-se na sua frente uma vasta planície, e à distância podiam ver-se as águas estreitas do Helesponto. Aquiles era o maior dos guerreiros gregos. A mãe era a nereida Tétis e quis torná-lo imortal como ela e invulnerável. Para isso fez uma longa viagem com o filho até ao Mundo Inferior, e mergulhou-o nas águas mansas do Estige, segurando-o pelo calcanhar, e assim o calcanhar ficou seco e continuou vulnerável. Depois foi ao monte Pélion e entregou-o aos cuidados do centauro Quíron, que tinha treinado tantos heróis do passado. Quando Tétis ouviu contar que Helena tinha sido levada para Tróia, ficou muito preocupada, e foi logo ao monte Pélion. Mas a notícia já lá tinha chegado, e encontrou Aquiles a preparar-se para partir. Lançou-lhe um feitiço, vestido com trajes de mulher e navegou com ele até à ilha de Squiro, apresentando-o ao rei Licomedes como sua filha. E deixou-o aos cuidados do rei. Entretanto, os reis e príncipes gregos juntavam-se em Áulis com os seus exércitos. Enquanto os exércitos se iam juntando, os navios que os deviam conduzir a Tróia navegavam desde as ilhas e das cidades costeiras para o continente grego.

Ulisses de ítaca hesitava em se juntar à expedição, porque se tinha casado apenas havia um ano e não queria deixar a mulher e o filho. Por fim, tudo ficou pronto em Áulis. Os soldados entraram para os navios, e desfraldaram-se as velas brancas. Lentamente, a armada saiu da baía e navegou sobre o vasto mar Egeu a caminho de Tróia. Ao princípio, a expedição parecia condenada à derrota. Levantou-se vento e grandes tempestades sacudiram os navios, que ficaram em péssimo estado com as velas rasgadas ou perdidas, os mastros quebrados. Os remadores estavam exaustos e muitos dos víveres tinham-se estragado com a água do mar. Era evidente que a expedição não podia seguir naquelas condições, e não houve outro remédio senão voltar à Grécia para consertar os navios. Havia outra razão para voltar atrás. Durante a tempestade, Agamémnon lembrara-se de que o adivinho Calcas lhe dissera que Tróia não cairia enquanto Aquiles não estivesse entre os guerreiros gregos. Quando o exército chegou a Áulis são e salvo, Agamémnon mandou procurar Aquiles. Por fim correu a notícia de que ele estava em Squiro, a viver como uma rapariga no palácio de Licomedes.
Por um estratagema de Ulisses, conseguiram encontrar Aquiles, que despiu de boa vontade os trajes de mulher, e começou a reunir o seu exército. Assim que o exército de Aquiles ficou reunido e partiram todos da Tessália, a armada grega saiu novamente do porto. E desta vez a viagem foi calma. Assim que chegaram à praia, as tripulações saltaram para a água baixa sob uma chuva de setas, lanças e pedras. Depois os Troianos recolheram-se às muralhas da cidade, e dali ficaram a ver os exércitos gregos estabelecer o seu acampamento, desembarcar as provisões, os cavalos e os carros de guerra. Fora travada a primeira batalha da guerra e a vitória coubera a Agamémnon. Mas com uma batalha não se vence uma guerra. Para evitar sangue, Menelau mandou um emissário ao rei Príamo, desafiando Páris para combater com ele até à morte, em combate singular. Se Menelau ganhasse, Helena voltaria para ele. Se perdesse, morreria honrosamente, e Páris; ganharia Helena num combate justo. Fosse como fosse, os exércitos gregos voltariam à pátria e Tróia ficaria em paz. Páris aceitou o desafio. E combateram os dois encarniçadamente junto às portas da cidade. Por fim, urna enorme estocada feriu Páris na coxa, fazendo-o cair no chão. Antes que Menelau tivesse tempo de dar o golpe final, os soldados troianos saíram da cidade, rodearam Páris e levaram-no são e salvo. As grandes portas fecharam-se: atrás deles e Menelau voltou furioso para o acampamento grego. Embora a própria Tróia recusasse render-se, os Gregos devastavam muitas vezes as regiões e cidades vizinhas leais à capital troiana. Assim como arranjar alimentos para o seu exército, os Gregos queriam cortar todos os fornecimentos de. água e comida para a própria Tróia. Se as forças troianas pudessem ser completamente isoladas e passassem bastante fome, depressa ficariam demasiado fracas para combater. Depois viria a rendição. Os soldados gregos tentaram por todos os meios guardar as saídas da cidade, mas as tropas de assalto troianas; ainda conseguiam chegar às linhas inimigas durante a noite, ajudadas é claro pelo bom conhecimento da região. Um dia Aquiles conduzia uma expedição para roubar gado através do rio Escamandro, no sitio onde ele corre no vale do monte Ida, a cerra distância de Tróia. Dirigia-se com os seus homens para a cidade de Lirnesso, a oeste. Passavam a vau as águas baixas do rio, avançando cautelosamente, para o caso de espias da cidade os perseguirem. E Lirnesso foi arrasada, e com o saque de guerra trazido por Aquiles e os seus soldados vinham duas raparigas cuja beleza rivalizava com a da própria Afrodite, Criseis e Briseis. Agamémnon, como chefe de todos os exércitos, tinha direito à primeira divisão dos saques, e escolheu Criseis sem hesitar.
Pouco tempo depois disto, espalhou-se pelo acampamento uma estranha doença. Tornava-se pior de dia para dia, até que os homens já estavam tão fracos que não podiam combater e morreram muitos nas suas tendas. Agamémnon chamou um adivinho e pediu-lhe conselho. 
- Grande rei - disse o velho -, tens na tua tenda uma rapariga de que fizeste tua escrava. É uma sacerdotisa de Apolo. Na sua fúria, ele mandou esta peste ao teu acampamento. 
- Como podemos remediar o mal? perguntou Agamémnon.
0 adivinho disse-lhe que devia mandar Criseis imediatamente para o seu templo com presentes e sacrifícios feitos ao deus. Agamémnon não teve outro remédio senão obedecer, e ordenou imediatamente a Aquiles que lhe desse a outra rapariga, Briseis. Aquiles recusou-se, mas, quando Agamémnon o nomeou seu comandante, foi obrigado a obedecer. E voltou furioso à sua tenda, jurando que nem ele nem nenhum dos seus homens tomaria mais parte na guerra enquanto Agamémnon não lhe devolvesse Briseis e lhe pedisse desculpa. A notícia desta desavença chegou imediatamente a Tróia. Os soldados de Príamo tomaram coragem. Novos aliados tinham chegado recentemente para os ajudar, e todos juntos fariam um ataque-surpresa às linhas gregas, empurrando-as para o mar e para lá das muralhas de madeira que tinham construído ao longo da praia. 0 último homem a abandonar as barricadas foi Ájax, comandante dos Lócrios. Deixou muitos mortos atrás de si, mas, embora fosse ele o herói do dia, os Gregos tinham sofrido uma cruel derrota. Pátrocles, o melhor amigo de Aquiles, tentou persuadi-lo a não ficar fechado na tenda como uma criança amuada. 
- Não saio daqui enquanto Agamémnon não vier ter comigo e me pedir desculpa - respondeu Aquiles. 
- Muito bem - disse Pátrocles. - Então vou levar a tua armadura e usá-la no campo de batalha, para os Troianos julgarem que voltastes a ter juízo. 
Pegou no capacete de Aquiles, no escudo, na espada e na lança, e saiu da tenda, furioso. No dia seguinte, os Gregos voltaram todos às barricadas, e os Troianos viram com receio a figura imponente de Aquiles à frente dos soldados. Voltaram imediatamente para dentro das muralhas da cidade e, embora o seu chefe Heitor os mandasse ficar a pé firme, os Gregos rechaçaram impiedosamente o seu ataque. Quando chegou às portas da cidade, Heitor, sozinho, barrou-lhe a passagem. Mas nessa altura Pátrocles perdera o capacete de Aquiles e já não podia continuar a esconder a sua verdadeira identidade. Cansado de tão violenta batalha, não podia medir-se com Heitor. Depois de apenas alguns toques de espada, o valente amigo de Aquiles caía morto. A toda a velocidade, um mensageiro grego correu à tenda de Aquiles para o avisar. Quando ouviu o que tinha acontecido, o grande guerreiro pôs-se de pé e saiu da tenda. E, na manhã seguinte, os Troianos saíram novamente e deu-se outra grande batalha. A morte de Pátrocles enchera Aquiles de um ódio invencível contra todos os Troianos, ódio maior ainda por saber que fora ele o principal causador da morte de Pátrocles. Perante o ataque de Aquiles e dos seus homens, os Troianos recuaram, e mais uma vez combateram em volta das muralhas da cidade. Começava a parecer que desta vez os Gregos acabariam por vencer, mas as portas da cidade fecharam-se uma a uma sobre os soldados troianos que batiam em retirada. Apenas a porta principal ficou aberta, defendida até ao fim por Heitor. Como de costume, Heitor conduzira os Troianos com enorme coragem durante todo o dia, mas, desta vez, nem ele mesmo conseguiu evitar a derrota. Aquiles viu-o do seu carro e atirou a lança com toda a força. 0 golpe teria feito derrubar as próprias muralhas de Tróia, e Heitor caiu com uma enorme ferida no pescoço. 
- Assim morrerão todos os cães! - gritou Aquiles, saltando para o chão e avançando de espada erguida para o homem caído. Mas Heitor Já estava morto quando ele chegou. Ainda no seu acesso de raiva, Aquiles amarrou os pés de Heitor com uma corda e prendeu-o às traseiras do carro, arrastando três vezes o maior dos filhos de Príamo em volta das muralhas de Tróia.
Tal procedimento para com um inimigo vencido chocou até mesmo os amigos de Aquiles, e trouxe novos receios ao exército grego. 
- Deixem-no como pasto dos abutres - disse ele com secura. - Amanhã veremos apenas os seus OSSOS. 
Quando nasceu o Sol, o rei Príamo olhou do alto das muralhas e viu o corpo do filho ainda na planície. Disfarçou-se e conseguiu chegar até ao acampamento grego sem ninguém desconfiar. Quando entrou na tenda de Aquiles, revelou quem era e entregou-se à vontade do chefe grego. 
- Deixa-me levar Heitor comigo para a cidade a fim de podermos dar-lhe um funeral próprio e seguir em paz até ao Eliseu. 
- Podes levar o teu filho - disse ele -, mas
tens que me dar o peso dele em ouro. 
Príamo concordou e fizeram-se tréguas durante aquele dia. Foi trazida de Tróia uma enorme balança e colocada junto da muralha. Os Gregos puseram o corpo de Heitor num dos pratos da balança enquanto os Troianos punham no outro montes de ouro vindo das caves de Tróia. Mas a cidade empobrecera devido à prolongada guerra e o ouro trazido não chegava para equilibrar a balança. A irmã de Heitor, Polixena, quando viu o pai afastar-se de Aquiles, tirou imediatamente do pescoço um pesado colar de ouro e atirou-o para a balança. Com mais este peso, o prato desceu e ficou equilibrado com o outro. Nas semanas que se seguiram, Aquiles descobriu que se apaixonara por Polixena e mandou dizer a Príamo que, se pudesse ter Polixena como esposa, a guerra terminaria. 0 rei troiano ficou radiante. Todavia Paris temia que, se a guerra acabasse, fosse forçado a devolver Helena ao marido. E quando Aquiles se aproximou da cidade, em termos de paz, lançou-lhe uma seta envenenada. A seta atingiu Aquiles no calcanhar, justamente no sítio por onde Tétis o segurara tantos anos antes para o mergulhar no rio Estige. E naquele dia a batalha foi mais renhida do que nunca, e continuou ainda mais violenta todos os dias, parecendo que não teria fim. Então, uma manhã, os Troianos olharam através da planície e verificaram com espanto que os invasores tinham desaparecido. Não se via nada, a não ser os restos dos acampamentos. Em frente da porta principal da cidade, sobre uma plataforma com rodas mal talhadas, estava um gigantesco cavalo de madeira. E, num dos flancos, os Troianos descobriram uma inscrição que dedicava o cavalo 'a deusa Atena e pedia o regresso calmo dos exércitos gregos à pátria. Cautelosamente, os Troianos inspecionaram o cavalo, mas acabaram por acreditar que não passava de uma oferenda à deusa Atena, e resolveram levá-lo para dentro da cidade, onde poderia ficar corno recordação da sua inesperada vitória sobre os Gregos. Amarraram fortes cordas na base do cavalo e levaram-no pelas ruas até uma vasta praça junto do palácio. Chegou a noite e fez-se urna festa em Tróia. Dançou-se e cantou-se em volta do cavalo de madeira, e passava muito da meia-noite quando o último noctívago adormeceu. junto das portas da cidade, os guardas dormiam também, cheios de vinho. Quando, por fim, tudo sossegou, uma porta disfarçada na barriga do enorme cavalo abriu-se sem ruído. Cinqüenta dos guerreiros gregos mais audazes saltaram para o chão. Alguns deles correram imediatamente para as portas, outros dirigiram-se ao palácio real. 0 plano do esperto Ulisses tinha resultado tal e qual como ele previra. Enquanto os Troianos prestavam honras ao cavalo, a armada grega tinha-se escondido na enseada de uma i lha próxima. E, assim que anoiteceu, os Gregos voltaram com todas as cautelas, e quando os soldados que estavam dentro da cidade tinham morto os guardas adormecidos, o exército juntou-se na planície. Com o inimigo no interior da cidade, os Troianos estavam perdidos: apanhados de surpresa, foi a sua última batalha. Antes de amanhecer, a cidade caíra nas mãos dos Gregos, muitos dos maiores guerreiros foram mortos e as mulheres e filhos levados como escravos.
Quanto a Helena, causadora dos dez anos de guerra e da morte de tantos heróis, voltou mais uma vez para a Grécia, para junto do marido.

 

 

 

HADES

 

 

 

 

Deus dos Infernos, na mitologia grega. Filho de Cronos e de Réia, irmão de Zeus e Posídon, era um deus de poucas palavras e seu nome inspirava tanto medo que as pessoas procuravam não pronunciá-lo. Era descrito como austero e impiedoso, insensível a preces ou sacrifícios, intimidativo e distante. Invocava-se Hades geralmente por meio de eufemismos, como Clímeno (o Ilustre) ou Eubuleu (o que dá bons conselhos). Seu nome significa, em grego, o Invisível, e era geralmente representado com o elmo mágico que lhe dava essa habilidade, que ele ganhou dos ciclopes quando participou da titanomaquia contra os titãs. No fim da luta contra os titãs, vencidos os adversários, Zeus, Posídon e Hades partilharam entre si o universo, Zeus ficou com o céu, e a terra, Posídon ficou com os mares e Hades tornou-se o deus do inferno e das riquezas.

 

 

HEFESTOS

 

 

 

Deus do fogo entre os Gregos. Era coxo e considerado o ferreiro divino e patrono dos artífices. Tinha a sua forja debaixo do vulcão Etna e era assistido por ciclopes. Ironicamente, deram-lhe a infiel Afrodite como esposa. Hefestos fez uma rede invisível e apanhou-a em flagrante delito. Hefesto foi responsável, entre outras obras, pela égide, escudo usado por Zeus em sua batalha contra os titãs. Construiu para si um magnífico e brilhante palácio de bronze, equipado com muitos servos mecânicos. De suas forjas saiu Pandora, primeira mulher mortal. Casou-se com Afrodite, porém ela lhe foi infiel, tendo vários amantes dentre eles deuses e mortais. O seu principal rival era Ares, deus da guerra. Outra versão do mito conta que Afrodite o amava realmente, e suas traições reflectiam as outras faces do amor, (ela lhe queria causar ciúmes, ou tinha desejos passageiros), e uma terceira ainda fala que ele divorciou-se de Afrodite e casou-se com as Cárites (ou a Cárite). Atenas, cidade que dava valor ao artesanato, estimava-o.

 

 

HELENA (de Tróia)

 

 

 

Foi Homero que, narrando um episódio da Guerra de Tróia, chamou a atenção para a lenda, cujo personagem principal é Helena, princesa grega famosa pela sua beleza. Ela era filha de Leda e irmã de Castor e Pólux. Esposa de Menelau, foi raptada por Páris, o que originou a expedição dos gregos contra Tróia. O rapto de Helena, que a mitologia grega descrevia como a mais bela das mulheres, desencadeou a lendária guerra de Tróia. Personagem da Ilíada e da Odisseia, Helena era filha de Zeus e da mortal Leda, esta esposa de Tíndaro, rei de Esparta. Ainda menina, Helena foi raptada por Teseu, depois libertada e levada de volta para Esparta por seus irmãos Castor e Pólux (os Dioscuri).  Para evitar uma disputa entre os muitos pretendentes, Tíndaro fez com que todos jurassem respeitar a escolha da filha. Ela se casou com Menelau, rei de Esparta, irmão mais novo de Agamenon, que se casara com uma irmã de Helena, Clitemnestra.  Helena, contudo, abandonou o marido para fugir com Páris, filho de Príamo, rei de Tróia. Os chefes gregos, solidários com Menelau, organizaram uma expedição punitiva contra Tróia que originou uma guerra de sete anos de duração.  Após a morte de Páris em combate, Helena casou-se com seu cunhado Deífobo, a quem atraiçoou quando da queda de Tróia, entregando-o a Menelau, que retomou-a por esposa. Juntos voltaram a Esparta, onde viveram até a morte. Foram enterrados em Terapne, na Lacónia.

 

 

 

HERA

 

 

Deusa grega do Casamento que simbolizava a grandeza da Maternidade. Filha de Cronos e de Reia, casou como seu irmão Zeus, e esta união tornou-se, apesar das infidelidades e desavenças, o modelo dos casamentos humanos, Hera foi também deusa da Fecundidade e da Vegetação. Retratada como ciumenta e agressiva, odiava e perseguia as amantes de Zeus e os filhos de tais relacionamentos, tanto que tentou matar Hércules quando este era apenas um bebé. O único filho de Zeus que ela não odiava, antes gostava, era Hermes e sua mãe Maia, porque ficou surpresa com a sua inteligência. Possuía sete templos na Grécia. Mostrava apenas seus olhos aos mortais e usava uma pena do seu pássaro para marcar os locais que protegia. Hércules destruiu seus sete templos e, antes de terminar sua vida mortal, aprisionou-a em um jarro de barro que entregou a Zeus. Depois disso, ele foi aceito como deus do Olimpo. Hera era muito vaidosa e sempre quis ser mais bonita que Afrodite, sua maior inimiga. Irmã e esposa de Zeus, a mais excelsa das deusas, é representada na Ilíada como orgulhosa, obstinada, ciumenta eagressiva. Odiava sobretudo Héracles, que procurou diversas vezes matar. Na guerra de Tróia por ódio dos troianos, devido ao julgamento de Páris, ajudou os gregos.

 

 

 

HÉRACLES

 

 

 

Herói grego, personificação da Força. É geralmente considerado como filho de Zeus e de Alcmena, mulher de Anfitrião. Ainda na berço, sufocou duas serpentes que Hera lá colocara para o devorar. Foi Héracles o mais célebre dos heróis da mitologia, símbolo do homem em luta contra as forças da natureza. Desde que nasceu teve de vencer as perseguições de Hera. Tanto é que, com oito meses de vida estrangulou com as mãos duas serpentes que a deusa mandou ao seu berço para o matarem. Quando homem, sobressaiu-se pela sua enorme força. A sua primeira façanha deu-se quando se dirigiu a Beócia, cidade próxima de Tebas, e perseguiu e matou apenas com as mãos um enorme leão que devorava os rebanhos de Anfitrião e de Téspio. A caçada durou cinquenta dias consecutivos, durante que Héracles foi hóspede de Téspio, que aproveitou para unir cada uma das suas cinquenta filhas com ele, de maneira a criar uma aguerrida descendência, conhecidos pelos Tespíadas, que se espalharam até a Sardenha. Por livrar a cidade de Tebas de um tributo que tinha de pagar à de Orcómeno, o rei da primeira, Creonte (filho de Meneceu), casou-o com a sua filha mais velha, Mégara. Num acesso de loucura provocado por Hera, Héracles matou os filhos tidos com Mégara. Após recuperar a sanidade, Héracles foi a Delfos consultar um oráculo sobre o meio de se redimir desse crime e poder continuar com uma vida normal. O oráculo ordenou-lhe que servisse, durante doze anos, o seu primo Euristeu, rei de Micenas e de Tirinto. Pondo-se Héracles ao seu serviço, o rei, simpatizante de Hera, que não cessava de perseguir os filhos adulterinos de Zeus, impôs-lhe, com a oculta intenção de o eliminar, doze perigosíssimos trabalhos, dos quais o herói saiu vitorioso.

01 - Matar o leão de Nemeia;

02 - Matar a hidra de Lema;

03 - Capturar a corça de Cerineia;

04 - Trazer vivo o javali de Erimanto;

05 - Abater os pássaros antropófagos do lago Estínfalo;

06 - Limpar as cavalariças do rei Augias;

07 - Capturar o touro cretense de Minos;

08 - Matar Diomedes;

09 - Apoderar-se do cinto da amazona Hipólita;

10 - Matar Gérion;

11 - Colher as maçãs de ouro das Hespérides;

12 - Acorrentar o cão Cérbero.

Héracles participou também na expedição dos Argonautas, matou o centauro Nesso e sustentou o céu sobre os seus ombros para aliviar Atlas. Encarnando, com tudo isto, um ideal de virilidade e de tenacidade, recebeu a imortalidade que os deuses concedem aos heróis.

 

 

 

HERMES

 

 

Deus grego que vigia os caminhos e os que os percorrem: Viajantes, arautos, mercadores e até salteadores. Protector do comércio e da actividade urbana, é venerado também como divindade psicopompa, na qualidade de condutor das almas do Inferno, e como inventores de todas as ciências, em especial da escrita e da magia. Foi neste sentido que os Gregos o identificaram, na época helenística, com Toth, o deus lunar do Egipto, e lhe atribuíram o qualificativo de "trismegisto", ou seja, três vezes supremo, bem como a antologia intitulada "Corpus Hermeticum". Era um dos 12 deuses do Olimpo. Filho de Zeus e de Maia, nasceu na Arcádia, revelando logo extraordinária inteligência. Conseguiu livrar-se das fraldas e foi à Tessália, onde roubou parte do rebanho guardado por seu irmão Apolo, escondendo o gado em uma caverna. A seguir voltou para o berço, como se nada tivesse acontecido. Quando Apolo descobriu o roubo, conduziu Hermes diante de Zeus, que o obrigou a devolver os animais. Apolo, no entanto, encantou-se com o som da lira que Hermes inventara e ofereceu em troca o gado e o caduceu. Mais tarde, Hermes inventou a seringue (flauta de Pã), em troca de que Apolo lhe concedeu o dom da adivinhação. Foi famoso também por ser o único filho que Zeus tivera que não era filho de Hera, que ela gostou, pois ficou impressionada pela sua inteligência. Divindade muito antiga, Hermes era invocado, a princípio, como deus dos pastores e protector dos rebanhos, dos cavalos e animais selvagens; mais tarde tornou-se deus dos viajantes, e em sua homenagem foram erguidas estátuas à beira das estradas (hermas). Posteriormente, Hermes tornou-se deus do comércio e até dos ladrões; para proteger compradores e vendedores, inventou a balança. Hermes era quem guiava as almas dos heróis ou pessoas importantes até o rio Estige, lugar que ligava o reino dos vivos com o reino dos mortos. Também considerado deus da eloquência e patrono dos desportistas, é representado como um jovem de belo rosto, normalmente nu, vestido com túnica curta. Na cabeça tem um capacete com asas, calça sandálias aladas e traz na mão seu principal símbolo, o caduceu. Pã foi fruto dos amores de Hermes com a ninfa Dríope. Ela não foi a única mortal nem a única deusa honrada pelos seus favores. Teve ainda como amantes, Acacalis, filha de Minos; Herse, filha de Cécrope; Eupolémia; Antianira, mãe de Equion; Afrodite, a deusa do amor, com quem teve Hermafrodito; a ninfa Lara, náiade de Almon; e finalmente sua irmã, a deusa Perséfone, a quem pediu em casamento para Deméter, mãe da moça, que recusou o pedido. Mas foi Hermes quem tentou resgatar Perséfone do reino dos mortos quando ela foi sequestrada por Hades.

 

 

 

HÉSTIA

 

 

Deusa grega do Lar. Filha de Cronos e de Reia, virgem a quem se apresentava a esposa e os recém-nascido, era venerada no pritaneu, edifício que, em cada cidade, se mantinha iluminado em sua honra e representava o centro da vida pública. Embora não apareça com frequência nas histórias mitológicas, era admirada por todos os deuses. Era a personificação da moradia estável, onde as pessoas se reuniam para orar e oferecer sacrifícios aos deuses. Era adorada como protectora das cidades, das famílias e das colónias. Sua chama sagrada brilhava continuamente nos lares e templos. Todas as cidades possuíam o fogo de Héstia, colocado no palácio onde se reuniam as tribos. Esse fogo deveria ser conseguido directo do sol.
Quando os gregos fundavam cidades fora da Grécia, levavam parte do fogo da lareira como símbolo da ligação com a terra materna e com ele, acendiam a lareira onde seria o núcleo político da nova cidade. Sempre fixa e imutável, Héstia simbolizava a perenidade da civilização. Em Delfos, era conservada a chama perpétua com a qual se acendia a héstiade outros altares. Cada peregrino que chegava a uma cidade, primeiro fazia um sacrifício à Héstia. Seu culto era muito simples: na família, era presidido pelo pai ou pela mãe; nas cidades, pelas maiores autoridades políticas.

 

 

IO

 

 

 

Sacerdotisa de Hera, na mitologia grega. Era filha do deus-rio Ínaco, que por sua vez era filho de Oceanus e Tétis. Foi sacerdotisa da Hera argiva e pertenceu a raça real de Argos.  Sua beleza despertou a paixão de Zeus, que a seduziu e a transformou em vitela para assim subtraí-la aos ciúmes de Hera  A estratégia falhou e a deusa, desconfiada, desceu do monte Olimpo para averiguar o que estava acontecendo. Numa vã tentativa de iludir sua esposa ciumenta, o deus transformou sua amante em uma belíssima novilha branca. Intrigada pelo interesse do marido no animal e maravilhada com a beleza do mesmo, Hera exigiu a novilha para si e a pôs sob a guarda do gigante Argos Panoptes. Argos quando dormia mantinha abertos cinquenta de seus cem olhos.
Zeus encarregou Hermes de libertar sua amada. Para tanto, o mensageiro dos deuses, usando a flauta de Pã, pôs para dormir os olhos despertos de Argos, enquanto os outros cinquenta dormiam um sono natural, e cortou sua cabeça. Hera recolheu os olhos de seu servo e os pôs na cauda do pavão, animal consagrado a ela. Io estava livre do cativeiro, mas não dos tormentos de Hera. O fantasma de Argos continuava a persegui-la. Para piorar sua situação, a deusa enviou um moscardo para picar a novilha constantemente durante sua fuga, sempre perseguida por um moscardo. Io perambulou de Micenas para Eubéia. Atravessou a Ilíria e subiu o monte Hemos, na Trácia. O mar cujas praias percorreu recebeu o nome de Mar Iônio. O Estreito de Bósforo, que liga o Mar de Mármara ao Mar Negro, cujo significado é Passagem da Vaca, foi baptizado assim após Io tê-lo cruzado a nado. Atravessou a Cítia e ao chegar ao monte Cáucaso, encontrou Prometeu acorrentado em uma rocha. O titã disse que, ao alcançar o Egipto, ela seria restaurada a sua forma humana por Zeus e teria um filho. A criança seria a primeira de uma linhagem que culminaria com Hércules, que acabaria por libertar o próprio Prometeu. Io fatalmente chegou às margens do Nilo. Cansada de tanto sofrimento, implorou a Zeus por um fim. O deus comovido foi falar com Hera e ambos restauram Io a sua forma humana. Ela teve um filho, Épafo, que foi roubado pelos Curetes sob ordens de Hera. Io recuperou o menino e reinou sobre o Egipto, sob nome de Ísis e casada com Telégono. Sua coroa tinha dois pequenos chifres de ouro, lembranças de sua transformação. O mito de Io pode ser interpretado como uma alegoria lunar, na qual a fuga da novilha representaria o movimento da Lua e os olhos de Argos, o céu estrelado. Por vezes o mito de Io se confunde com os da deusa Ísis, Hator e mesmo Ishtar.

 

 

PERSEU

 

 

Herói da mitologia grega, filho de Zeus e de Danae. Perseu e sua mãe foram banidos pelo avô, Acrísio, que temia a profecia de que seria assassinado pelo neto, atirando-os numa urna para que levasse os dois para bem longe. Protegida por Zeus a embarcação chegou a ilha de Serifo, onde foi encontrada por um pescador, Díctis, irmão do rei de Serifo. Perseu e sua mãe viveram na casa de Díctis e sua esposa por anos, até que um dia, o rei, Polidectes, quando passava pela casa de seu irmão resolveu visitá-lo. Ao ver Danae, se apaixonou e quis se casar com ela. Perseu se tornou um grande homem, forte, ambicioso, corajoso, aventureiro e protector da mãe. Polidectes, com medo da ambição de Perseu levá-lo a lhe tirar o trono, propôs um torneio no qual o vencedor seria quem trouxesse a cabeça da Medusa, e o instinto aventureiro de Perseu não o deixou recusar. Ele, conhecendo a sua mãe disse que iria participar do torneio, mas não disse que iria enfrentar a Medusa, com receio dela impedi-lo. Foi vitorioso graças à ajuda de Atena e Hermes. Atena deu a ele um escudo tão bem polido, que podia se ver o reflexo ao olhar para ele, e Hermes deu a ele suas sandálias aladas, dois objetos que foram definitivos para a vitória de Perseu. Então Perseu, guiado pelo reflexo do escudo, mas sem olhar directamente para a Medusa, derrotou-a cortando sua cabeça, que ofereceu à deusa Atena. Diz a lenda que, quando Medusa foi morta, o cavalo alado Pégaso e Crisaor surgiram de seu ventre. Na volta para casa, matou um terrível monstro marinho e libertou a linda Andrómeda, com quem se casou. Conforme a profecia, Perseu acabou assassinando o avô durante uma competição desportiva, em que participava da prova de arremesso de discos. Fazendo um lançamento desastroso, acertou acidentalmente seu avô sem saber que ele estava ali. Assim cumpriu-se a profecia que Acrísio mais temia. Apesar disso Perseu se recusou a governar Argos - trocando de reinos com Megapente filho de Preto - e governou Tirinto e Micenas (cidade que fundou), estabelecendo uma família cujos descendentes incluíam Hércules.

 

 

 

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande Portugal
 
 

 

Envie esta Página aos Amigos:

 

 

                                      

 

 

Por favor, assine o Livro de Visitas:

 

 

 

 

Todos os direitos reservados a Carlos Leite Ribeiro
Página criado por Iara Melo
http://www.iaramelo.com