Osvaldo Luiz Pastorelli

 

 
 

 


         
  O avião chegou dentro do horário e dentro do horário foi o nosso encontro no bar do aeroporto com OSVALDO LUIZ PASTORELLI , o nosso entrevistado. Entre as habituais apresentações e uma cerveja quase gelada, nos foi dizendo com humor: - “O meu nome, cuja sigla “OLP pode ser confundida com outra OLP – Organização pela Libertação da Palestina, que foi criada, se não me engano, no mesmo anos eme que nasci, ou talvez um ano depois, pela ocasião da formação do Estado de Israel. Outra característica: meus pais, minha irmã, meus tios, são Pastorello, eu sou o único Pastorelli. É que meu pai, assim contava minha mãe, ao me registrar, me registrou como Pastorelli”. Depois rumámos para perto do Conjunto Nacional, onde num bar da uma travessa da Avenida Paulista começámos a entrevista. Durante o percurso, o Osvaldo foi-nos falando de São Paulo “a maior cidade do Brasil, que Anchieta e seus amigos desbravaram essas matas, erguendo as primeiras casas que mais tarde se tornaram em vila, e depois em cidade. O romance “A Muralha”, de Dinah Silveira de Queiroz retrata bem o que era São Paulo, dos bandeirantes destemidos. Apesar de caótica como as vezes me refiro, São Paulo é bonita. Seus prédios, Maritinelle, o Copão, Conjunto Nacional, e outros, suas praças, o Parque de Ibirapuera, a Avenida Paulista, São João ... Acho que São Paulo é muito generosa, recebe quem procura uma expectativa de vida melhor sem discriminação. O que é gostoso é andar por suas ruas à noite, a vida noturna é gostosa”. Já no bar em frente a umas saborosas cervejas, a nossa conversa continuou, mas desta vez com perguntas nossas: -Osvaldo Luiz Pastorelli, como é que você se auto-define ... ?: - “Não sei me auto-definir ... Talvez meus poemas e os Diários possam dizer melhor que eu”. – Qual a sua melhor qualidade e maior defeito ... ?: -“Minha melhor qualidade são os amigos espalhados pela Net; defeito ... tímido, envergonhado, acomodado ...”.
– Qual a característica que mais aprecia em si, e, também nos outros ... ?: - “Não sei, como saber se nem sei falar de mim. Creio que a paciência de aceitar certas coisas normalmente. Nos outros, a beleza do ser humano, a bondade, a amizade, a fidelidade”. – Qual foi o maior desafio que aceitou até hoje ... ?: -“A própria vida. Vivo sempre aceitando esse desafio, e espero que dure por bom tempo”.
– De que mais se orgulha ... ?: -“Da minha filha, de ser pai, apesar que às vezes penso não ser adequado para esse papel”. – Uma imagem do passado que não quer esquecer no futuro ... ?: -“Dos momentos qunado minha filha era apenas um bebé”. – O arrependimento mata ... ?: -“Não. Talvez para quem leva a vida muito a sério, para mim não, pois nunca me arrependi de nada, a única coisa que me arrependo é do que ainda não fiz”.
– Qual o cúmulo da beleza e também da fealdade ... ?: -“É a música quando tocada com o coração, aquela que arrepia, enche os olhos de água a ponte de se sentir dominada por ela. Não existe fealdade. Quem ama, tem a poesia não pode ver em nada a fealdade”. – Que vício gostaria de não ter ... ?: -“Nenhum”.
– Qual a personagem que mais admira ... ?: -“Todos que se destacaram positivamente, Elis, Paulo Autran, Adoniram, Fernanda Montenegro ...”. – Seus passatempos preferidos ... ?: -“Desenhar, escrever, ler ...”. – Quando era criança ... ?: -“Gibi, lia muito gibi, hoje HQ, e cinema. Pois no interior, Rio Claro onde passei minha infância e adolescência, a única diversão era o cinema, as matinés aos domingos”. – Como vai o Osvaldo de amores ... ?: -“vou bem, muito bem, amo a vida, não quer coisa melhor ? A vida que todos os dias ao abrir os olhos me diz da imensa possibilidade que me apresenta em fazer, criar, de sentir a vida. Pena que às vezes tudo isso passe assim de repente, sem que se note, quando vemos, foi-se o dia, a semana, o mês, o ano”.
– O dia começa bem se ... ?: -“O dia sempre começa bem, principalmente no verão”. Que influência tem em si a queda da folha e a chegada do frio ... ?: -“Tristeza, tédio e horror ao frio”. –Que género de filme daria sua vida ...?: -“Um filme tipo reminescência ou chato ou transh”. – O que é para você o termo Esoterismo ... ?: -“A procura do “eu”, algo além do ser humano, o equilíbrio do ser”.
– Você acredita na reencarnação ...?: - “Não, mas se existe quero me reencarnar para fazer tudo o que não fiz nesta”. – Acredita em fantasmas ou em “almas do outro mundo” ... ?: -“Não, os fantasmas são as nossas angústias, nossas frustações”. – O Imaginário será um sonho da realidade ... ?: - “Não se vive sem sonho e todos lutam pelo seu”. – Acredita em histórias fantásticas ... ?: - “Acredito em Lovecraff e Poe”. – Antes do almoço, uma pergunta: Deus existe ... ?: -“Sou insignificante para responder a uma questão tão abrangente como essa. A única coisa que acredito é no amor, na amizade, se isso representa divindade, então Deus existe”.
Ali perto fica o Bar “Lanchonete Hara’s Dog”, onde o nosso entrevistado almoça há vinte anos, e quase todas as tardes, depois do expediente, toma um aperitivo antes de ir para casa. Escolhemos massa e sopa, água e vinho tinto. O Osvaldo foi-nos dizendo: - “O dono deste bar vive prometendo reformar e nunca mais começa a reforma, onde os fregueses reclamam da cerveja quente que é servida ... “. – Qual é a sua ocupação profissional ... ?: -“Simples Auxiliar Contábil que de contabilidade tem horror, não sabe nada, detesto números”. – A cultura será uma botija de oxigénio ... ?: -“Quem deve responder a essa pergunta é para quem vive intensamente a arte, que vive dela, que faz dela o seu ganha pão, não para quem tem a arte como hobby”. – Que livro anda a ler ... ?: -“As obras completas de Jorge Luís Borges”.
–Autores e livros preferidos ... ?: -“Clarice Lispector – Henry James – Faulkner – Hilda Hits e todos os livros de poesia”. – Música e autores preferidos ... ?: -“Avé Maria” – “Amigo é pra essas Coisas” – “Como nossos Pais”. Autores: Tchaikovski – Phillips Glass – Secret Garden (não confundir com Savage Garden, por favor)”. – Qual o filme comercial que mais gostou ... ?: -“Conte Comigo” – “Sindicato de Ladrões” – “O Pagador de Promessa” – “Excalibur” – e outros”.
Assim falámos de: OSVALDO LUIZ PASTORELLI
www.pdmusica.hpg.com.br
http://fortunecity.com/sons/pop/45
Nascido a 02 de Abril (e diz que a filha nasceu a 04 de Fevereiro). Diz que gosta de flores mas “não para serem oferecidas a alguém – pelo menos cortadas”.

HÁ UM CONCEDER
“Há um conceder por direito / outro conceder por inteiro / entre os dois por satisfeito / há o conceder o ano inteiro / No conceder pacificamente / no dia-dia preocupado / há o trabalho incessantemente / do meu conceder roubado / Existe o viver consentido / tudo que me pertence conceder / por que vivo e vou resistindo / Ora num fulgor de raro prazer / ora num fulgor pressentido / tudo que poderá me acontecer”.


Formato de Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande – Portugal

 

 

Envie esta Página aos Amigos:

 

 

                                      

 

 

Por favor, assine o Livro de Visitas:

 

 

 

 

Todos os direitos reservados a Carlos Leite Ribeiro
Página criado por Iara Melo
http://www.iaramelo.com