BOLO DE ANIVERSÁRIO -

 

de Carlos Leite Ribeiro

 

 

 
 
 

 

Bolo de Aniversário

(um conto real)

 

 

 

 

de Carlos Leite Ribeiro

 

 

Naquela noite de 29 de Dezembro de um ano que já não me lembro, cheguei a casa já tarde pois tive de fazer serão no jornal a preparar edição especial Fim de Ano. Era um trabalho sempre chato mas que felizmente só acontecia uma vez por ano. Fazer pesquisas culinárias (ainda não havia Internet); entrevistar chefes de cozinha e afamados cozinheiros; pequenas entrevistas a políticos e a figuras públicas (e não só). Fazer as listas de restaurantes, bares e outros locais de divertimentos, etc.   

Tudo isto além do noticiários normais que de hora a hora tínhamos que dar à antiga Emissora Nacional. Era um trabalho como dizíamos "do diabo".

Portanto, cheguei a casa muito cansado e com fome. Logo na entrada veio a meu nariz um cheirinho agradável a bolo. Passei pelo quarto para ver se a mulher estava a dormir, e de seguida, dirigi-me à cozinha de onde vinha aquele maravilhoso cheirinho a bolo quente.

Logo o descobri o Pão-de-ló numa forma grande (tínhamos dois tipos de formas cada qual com seu diâmetro. Contente como qualquer ratito preste a comer um pedacinho de queijo, retirei o tal bolo da !"estufa" onde estava a "secar" e cortei uma generosa fatia; confesso que tive vontade de comer o bolo todo, mas como é óbvio, tinha que contar com a esposa que estava a dormir.

Dirigi-me ao quarto e delicadamente acordei a esposa, querida, tu hoje caprichaste a fazer o bolo Pão-de-ló! Já comi uma fatia e trago-o aqui para nós o devorarmos.

Nem pude acabar a frase, pois ela acordou e logo vi que não muito bem disposta:

- Oh seu guloso, o que fizeste ao bolo ?!...

- Comi uma fatiazinha !

- Esse bolo era para o aniversário da Maria Figueiredo. Estava a secar para logo de manhã o barrar com molho branco, colocar aquelas bolinhas de enfeite prateadas além das vinte e duas velas. Prometi à moça e agora o que vou fazer?

- Levanta-te e vamos fazer outro. Eu ajudo se puder comer este todo…

- Olha que não estou a brincar … Levas tudo na brincadeira. E eu que prometi à moça que lhe faria o bolo de aniversário. Sai daqui do quarto e vai para a cozinha; mas não comas mais nenhuma fatia de bolo. Guloso …

Vestiu o robe e foi ter comigo à cozinha. Calados só olhávamos para o bolo, eu, intimamente pensava:"que pena não ser todo para mim…".

- Olha Carlos, parece-me que descobri como safarmos desta enrascada”. Com uma faca afiada, vou cortar outra fatia do lado oposto e assim, o bolo em vez de ficar redondo vai ficar oval. Como já está quase "seco" vou fazer o molho e tu vai ajudar-me a barrá-lo e a colar com o açúcar em ponto.

Horas depois o bolo estava na perfeição na sua forma oval, e muito bem decorado com as tais bolinhas e os castiçaizinhos para as velinhas.

- Vês querida, tu és uma enorme artista criativa. Parabéns! Agora posso comer esta fatia, não posso? ajudei a minha querida …

A resposta veio em tom cortante:

- Nãoooo !!! quem a vai comer sou eu.

Nem protestei para não ouvir alguma coisa de que não desejaria.

No outro dia fomos ao aniversário da Figueiredo e levámos o bolo que fez grande sensação pelo seu formato oval.

Uma vizinha chegou perto de minha mulher para lhe perguntar:

- Onde é que a senhora comprou esta forma tão fora do comum?

Eu afastei-me logo antes de dar uma sonora gargalhada, enquanto a esposa dizia à senhora, numa cara muito cómica a tentar não se rir.

- Estas formas (metálicas) não se vendem em Portugal. Foi uma amiga que me trouxe de França …

 

Carlos Leite Ribeiro (um conto real)

Todos os direitos reservados a Carlos Leite Ribeiro
Página criada por Iara Melo, para ser visualizada no Internet Explorer
Resolução do Ecrã 1024 * 768
http://www.iaramelo.com